blogger | gmail | blogs | os autores

AQUELES QUE ABRIRAM O CAMINHO - POST 1

Depois de ler as últimas mensagens musicais aqui postadas, algumas das minhas memórias roqueiras foram activadas. Canções que actualmente já não se ouvem (pelo menos de forma frequente) e muita gente já esqueceu, mas que, sem dúvida, abriram as portas para o aparecimento de novas bandas, até das “dificilmente audíveis” por ouvidos um pouco mais sensíveis.

Hoje, comecei a escrever aquelas de que me lembrava e, em 5m anotei prái umas vinte. Sem ter a certeza em que ano tinham sido lançadas, resolvi “Googlá-las” e verifiquei que quase todas pertenciam aos anos 80.

Embora algumas sejam um bocadito “cruas”, afinal estavam no início de um ciclo e não tinham grandes pontos de referência, nem nós diga-se, achei que era engraçado postá-las neste espaço. Pode ser que alguém que por aqui passe também goste de recordar.

Após alguma pesquisa consegui, com alguma dificuldade, encontrar algum material, mais ou menos apresentável, e …. aqui estão elas.

PS: Estes posts, como é natural, advêm (… bonita palavra) meramente (outra … pôssa …) das minhas preferências musicais, embora tente colocá-las por uma espécie de ordem cronológica (… não há duas sem três … palavras).

AQUELES QUE ABRIRAM O CAMINHO

POST 1

Descobri este clip na Net. Nem o reconhecia assim tão novinho. O Rui.

E esta letra: Sempre cheio de speed / Com merda na algibeira / Depois de mais um shoot nas retretes / Curtindo uma trip de heroína / Cólica escorbuto e caganeira / Fareja a judite em cada esquina / A vida só tem um problema
O ácido com muita estricnina / Conhece os flipados

Nos dias de hoje ainda se poderia incluir estas expressões e cantá-las à vontade na rádio e Tv? Huummm ….


video

RUI VELOSO – CHICO FININHO (1980)


2 Comments:

  1. R de Rui said...
    O vinil lá de casa até ficou com um profundo sulco nesta faixa, de tantas vezes que a canção foi ouvida. Aliás, até fez um buraco, pois conseguia ver-se à transparência de um lado para o outro.
    João Banderas Nogueira said...
    Aqueles discos de vinil é que era. Os "scrchhh", "rrreerr" e outros sons similares a acompanhar a música davam outro "sabor" à melodia. Agora é só CDs, DVDs, DVDCRs, SVCDs, MP3 e outros acabados em vês, já não é a mesma coisa.

Post a Comment